domingo, 25 de outubro de 2015

Paulo Ricardo lança álbum solo em novo surto de estrelismo



Tem um anúncio do Boticário com o Paulo Ricardo que ilustra bem sua carreira. Ele está numa van com seu nome escrito do lado de fora indo para um show, perto tem uma fila enorme que ele acha que é para comprar ingresso, mas é para comprar os produtos do anunciante e o local do show está vazio. Paulo parou o RPM várias vezes para tentar uma carreira solo. Nenhuma delas emplacou. Estive com ele no Projac no dia 20 de setembro, quando fui ajudar em comentários sobre o show dos Paralamas no Rock In Rio. Ele me falou que tinha vetado um disco pronto do RPM porque eram velhos se comportando como adolescentes. Em vez disso estava pronto um álbum solo e disco do RPM só ano que vem. Perguntei se ele ia embarcar de novo no lance romântico. Ele me disse que aquilo tinha sido um  erro, que o disco novo é de rock, prometeu que naquele dia mesmo ia me mandar o link para escutar. Você mandou? Nem ele.

Paulo também me disse que o disco Elektra, lançado na quarta volta da banda, tinha sido um equívoco por ser muito dançante. Não me entusiasmou por causa disso mesmo e estava na expectativa de que o vetado Deus Ex Machina faria o RPM se renovar. Perguntei se a banda ia parar, ele disse que não porque essa coisa dos anos 80 não para (não coloco entre aspas porque não lembro as palavras exatas, mas o sentido é este).  O RPM continua a fazer shows, pelo menos até sair o disco solo do Paulo. O que deduzi foi que ele mais uma vez quer tentar emplacar solo e quer deixar o RPM como uma banda saudosista, já que bloqueia a renovação de repertório.

Em 1989, a banda acabou porque estava corroída por contradições criadas pelo sucesso absurdo que teve com o primeiro disco e seus desdobramentos. Fizeram um disco ao vivo após lançar um único disco por falta de direcionamento, embarcaram numa egotrip sem limites para alegria da gravadora CBS, que tinha a política de sugar ao máximo os artistas novos e depois descartar o bagaço. Das reuniões seguintes, em 1993 a 1994, 2001 a 2003, 2008 só a atual, iniciada em 2011, rendeu um disco de carreira, falta continuidade na banda, sempre atropelada pela vontade de seu vocalista, indo e vindo quando quebra a cara.



Acho que rock é uma questão de banda. Uma unidade maior que suas partes, tanto que músicos egressos de bandas tem dificuldade de emplacar carreira solo. A banda é um corpo coeso, criativo em maior ou menor grau, que exige empenho e até renúncia das partes. Muitos músicos fazem discos solo com canções que não cabem nas bandas ou foram rejeitadas pelo consenso interno. Raramente superam o sucesso dos discos da banda. O dito maior vocalista de rock do mundo, Mick Jagger, é um bom exemplo. Nos anos 80, 90 e 00 lançou quatro álbuns solo, nenhum deles ficou entre os 10 mais na América, o que chegou mais perto foi Wandering Spirit (1993) em 11º lugar e também não emplacou em turnês solo. 

Como Paulo Ricardo me disse que haverá disco novo do RPM ano que vem, parece que está mais prudente agora sobre este novo voo solo. A ver.

23 comentários:

  1. Paulo Ricardo devia parar e olhar o que Ocorre com os lps solos do mick Jagger ou ele tem a idéia de ir tentando,tentando...até que um sai certo e ai ...

    ResponderExcluir
  2. Egotrip. ..vi já disse tudo. O Rpm teve tudo para ser umas maiores e o foi na década de 80.Se perdeu nos devaneios de seu líder, que não sabe se quer ser um Henrique Iglesias, um Fábio Junior ou um band leader .Acabou não sendo uma coisa , nem outra.Talvez precise de um pouco mais de honestidade. .

    ResponderExcluir
  3. PR lançou 2 discos solos bons, o Paulo Ricardo, e o Psicotrópico, depois usou uns troços loucos e virou virou um cantor sei lá o que era aquilo, os piores discos já lançados por um rock star, voltou com o RPM e fizeram o pior disco já lançado por uma banda de rock, chega a ser ridículo de tão ruim, pode-se juntar a Restart, Fresno e um par dessas bandas ruins que tem por aí. O RPM foi uma das maiores bandas de rock brasileiro, tem que haver respeito, esse álbum Elektra, eu como fã, só escutei uma vez, o Remix nem tentei, é muito triste saber que os caras são talentosos e lançam uma coisa horrível assim. Espero que um dia lancem um disco excelente como Revoluções por Minuto, o álbum RPM de 1988 se não fosse essa coisa de tentar misturar rock com música brasileira, era genial, mas, pelo meio tem uns lances de percussão horrível.

    ResponderExcluir
  4. Paulo Ricardo se perdeu na fogueira da vaidade ainda nos anos 80. Uma lástima. O RPM tinha potencial de ser uma das grandes, até os dias atuais. Fico me perguntando o que falta acontecer para ele se convencer de que pode ser quase tudo, menos cantor solo.

    ResponderExcluir
  5. Tomara que ele consiga apresentar um trabalho honesto e condizente com o talento musical dele.

    ResponderExcluir
  6. Disse tudo, Mestre. O RPM perdeu o Bonde da História e eles sabem disso. Era só manter a banda nos trilhos que tudo daria certo e eles teriam uma carreira mais próspera, consequentemente mais consistente, hoje já se passaram 30 anos e o RPM virou uma banda de Festa PLOC 80, com bons músicos que se perderam na onda do sucesso. Seu público envelheceu e não consegue arrebanhar as novas gerações, a não ser que Paulo Ricardo se reinvente de uma maneira que ele ache o pote de ouro no final do arco-iris novamente. Se não, vai continuar dando uma de Tio Sukita.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Só uma correção,não de fã.mas sensata e realista!
    Afirmar que nenhum vôo solo do Paulo deu certo,é maldade ou desinformação,pois todo mundo sabe que de 96 a 2000,o Paulo estava de carreira levantada,figurando entre os 10 artistas comercialmente mais bem sucedidos do país.
    Não era entre o público de rock,claro,e justamente por isso era criticado,pois disputava com românticos,pagodeiros,sertanejos,etc.
    Mas,você Jamari,está falando em termos comerciais,com certeza,quando usa a palavra "dar certo" em relação aos vôos solos.
    Como não deu certo?
    A carreira romântica trouxe o cara aos holofotes com uma força similar ao início do RPM.Foram 500.000(isso mesmo,meio milhão)cópias vendidas do cd "O Amor Me Escolheu",a mesma vendagem do primeiro do RPM "Revoluções Por Minuto",e a música "Dois" foi a mais tocada daquele ano nas rádios de td o Brasil.O Jornal do Brasil publicou uma matéria que falava em "novo boom de Paulo Ricardo".Tava em tds os programas de tv,chegava enjoar,e até em capas de revistas(coisa que não acontecia desde o RPM).Até o Globo repórter fez matéria sobre o "renascimento de Paulo Ricardo".O cd seguinte,em homenagem a Roberto,vendeu 350.000 cópias(mais do que a volta do RPM em 2002),e o último da trilogia romântica,emplacou a versão de "Imagine" em primeiro lugar nas rádios do Brasil,além de ser a abertura de uma novela.
    Então,meu caro,como assim não emplacou? rsrsrs
    Os números falam por sí.
    Ele largou td isso que tinha conseguido reconstruir,para voltar com o RPM em 2002(talvez emplogado pelos Um Milhão vendidos pelo Capital Inicial),porém,a volta foi menos bem sucedida comercialmente do que estava sendo sua carreira solo(a romântica,pq tem outras fases) e nesse sentido,antes ele tivesse ficado nela,poisquando abanda brigou,nem podia mais dizer que era o personagem romantico,nem tinha mais a banda e ai sim,trilhou uma carreira meia boca,até voltar com o Elektra e aos shows lotados.
    Resolvi citar os números e os fatos reais aqui,pq uma mentira,se ninguém desdiz,fica como verdade,principalmente para as novas gerações,que não viveu a época.
    A carreira romântica do Paulo,deu certo sim,ele estava de novo no topo(programas,revistas,rádios,vendagens e shows).
    É FATO,SÓ PESQUISAR!(E nem citei o lançamento desse cd"O Amor Me Escolheu,no mercado latino,onde só no México,foram 1000.000 cópias),assustou até o Ricky Martin,que quis conhecer ele.
    Quanto ao interesse da Universal contratar o Paulo,creio que é pela crescente volta a mídia que aconteceu esse ano(e sem o RPM).
    Os shows já estavam lotados com a banda(cada vez mais,nova geração e tal),ai veio SUPERSTAR,com o Paulo se destacando,depois ganhou quadro no VÍdeo Show,propaganda do Boticário e vai finalizar o ano participando do especial do Rei Robero Carlos,que sabemos que só chama quem está em evidência.
    Depois disso,virando o ano,vem BIG Brother,e Superstar de novo,então acho que isso foi o que gerou o interesse da gravadora.
    Agora,deviam aproveitar td isso para realmente levantar o RPM,já que dizem que é o foco deles,mas infelizmente,só falam do Paulo.
    Se o RPM é o foco dos 4,devem se dedicar a isso.
    Agora,repito,PAULO BOMBOU DE 96(ROCK POPULAR BRASILEIRO) até 2000(imagine),com vendagens de 5000.000 e 350.000,superando a volta do RPM em 2002.
    Abração!!!

    ResponderExcluir
  9. Um milhão e cem mil pessoas compraram os 3 discos romanticos do Paulo Ricardo nos anos 90 e começo dos anos 2000.
    Os fãs do RPM não gostam do Paulo solo,mas essa multidão aí gostava do Paulo romântico.

    Rock Popular Brasileiro(96)=150.000 cópias

    O Amor Me Escolheu(97,98)=500.000 cópias(mesma vendagem do"Revoluções Por Minuto")

    Amor De Verdade(99)=350.000 cópias

    La Cruz Y La Spada(versão do cd "O Amor Me Escolheu" em espanhol)=100.000 cópias no México,50.000 na Argentina,100.000 em Portugal+Brasil

    Paulo Ricardo(2000)=150.000 cópias,é o que estourou "Imagine",única regravação autorizada por Yoko Ono até hoje.

    É essa a realidade. O cara largou td isso para voltar com o RPM em 2002,e vendeu menos do que estava vendendo antes.
    É doido!!!
    Então,FEZ SUCESSO SIM NA CARREIRA ROMÂNTICA.
    FALA A VERDADE JAMARI!!!

    ResponderExcluir
  10. O programa Super Star acabou com o RPM!
    Posso estar errado, mas antes do programa não se falava em cancelar o Deus Ex Machina, com a ida do Paulo Ricardo ao programa (e a aparição em outros programas da globo), o ego subiu novamente, e ele correu para lançar um disco solo, gravou o disco durante o programa com a produção do Marcelo Sussekind. O que chama a atenção é que o PR fala que o novo disco soava como velhos se comportando como adolescentes, eu pergunto: será? Pois pelo que acompanhei das gravações, tinha músicas do que seria o disco do RPM em 2004. E pelo que escutei não mudaram muito elas, como a Raio X que o PR ainda cantou no Super Star, não sei das inéditas do disco. E outra coisa, chamaram o Lucas Silveira para produzir, o cara faz mesmo músicas para adolescentes, pq não chamaram logo o Marcelo Sussekind? Sussekind já produziu discos de grandes bandas do rock nacional, como Capital Inicial, Engenheiros do Hawaii, Detonautas. Ou outros produtores de peso do rock nacional. Seguir o RPM tem desmotivado uma leva de fãs, de poucos fãs que ainda restam à banda na verdade. Eu mesmo tenho pensando em sair de todas plataformas digitais do RPM e não ficar indo em shows.

    ResponderExcluir
  11. Os Rockeiros ficaram putos,pq só queriam ele no Rock,afinal o cara veio da banda mais bem-sucedida de tds os tempos no Rock Nacional,porém contra fatos não há argumentos.Depois de amargar vendagens de 20 mil cópias(isso sim um fracasso e numa época sem pirataria forte ainda)o cd"Rock Popular Brasileiro" chegou a mais de cem mil,por causa do dueto com o Renato Russo.
    E a virada veio mesmo no seguinte,"O Amor Me Escolheu",pense ai,bateu em 500.000,a mesmíssima vendagem do disco"Revoluções Por Minuto",nem ele acreditou.Tanto que fizeram a versão desse cd para a América Latina inteira,e no México bateu em 1000.000 cópiase"dos",ficou entre as 10 mais tocadas.
    O disco em homenagem a Roberto Carlos,vendeu 350.000,e percebam VENDIA MAIS QUE A VOLTA DO RPM DE 2002 que tanto valorizam.
    rsrsrs
    Ele largou essa carreira pq realmente a alma dele é do rock,não tem jeito,e tb pq achou que a volta do RPM venderia milhões,pq o Capital Inicial que era banda do segundo time,vendeu,achou então que eles,o fenômeno,tb venderiam.
    Ai depois do fim do Rpm de novo nessa época,realmente se lascou,pq tinha abandonado o "personagem" romântico e tb as pessoas só queriam ele no rock com a banda.
    Sem nenhum dos dois,realmente,ficou meio sumido,mas mesmo assim se vc olhar no youtube,sempre esteve em tds os programas,inclusive Globais,mesmo sem uma música de sucesso.
    Então,as pessoas,como o burro do Jamari,se baseiam nessa fase,em discos como "Zumzum" do PR.5 ou 'Prisma",para dizer que ele não fez sucesso, e se esquecem "DE PROPÓSITO" da fase de 96 até 2002,onde o cara estava emplacando sucessos ininterruptos,com hits em rádio e onipresente na tv.
    Além disso,se vc analisar friamente,o RPM vendeu 2.700.000 cópias do"Rádio Pirata Ao Vivo" numa época onde o rock dominava a mídia e td era mais fácil,conspirava a favor.
    O paulo,vendeu sozinho na fase romântica 1.100.000,contra tdas as expectativas,adquirindo um público FIEL(coisa que o RPM nunca teve,saiu de milhões para 200.000 de um disco pro outro ainda nos anos 80)que acompanhava sua carreira,comprava os discos e nunca o abandonou,pelo contrário,como já dito,ele foi quem os abandonou,abandonou essa carreira.
    Na verdade,comercialmente falando,foi a maior burrice do Paulo,pois mesmo a critica e os rockeiros malhando,ESTARIA MILIONÁRIO e teria se estabilizado na mídia desde aquela época,pois esse estilo nunca sai de moda.
    Enfim,mas depois de explicar td isso,reafirmo que PREFIRO O RPM(kkkkkk),é sério,mas como acompanhei isso td,fico puto quando vejo alguém se pegar num disco de fracasso para malhar o cara e esquecer os discos de sucesso,só para não dar o braço a torcer.
    Mas graças a Deus,HOJE EM DIA,ele voltou a mídia(mais uma vez contra tdas as expectativas)no Superstar e com shows lotados da banda tb,e isso que importa,depois de tantos anos,a sensação de que independente do estilo,ELE FICOU,falam dele em pleno 2016,é contratado por programas,etc.
    Provou que é um ícone eterno!!!

    ResponderExcluir
  12. Os Rockeiros ficaram putos,pq só queriam ele no Rock,afinal o cara veio da banda mais bem-sucedida de tds os tempos no Rock Nacional,porém contra fatos não há argumentos.Depois de amargar vendagens de 20 mil cópias(isso sim um fracasso e numa época sem pirataria forte ainda)o cd"Rock Popular Brasileiro" chegou a mais de cem mil,por causa do dueto com o Renato Russo.
    E a virada veio mesmo no seguinte,"O Amor Me Escolheu",pense ai,bateu em 500.000,a mesmíssima vendagem do disco"Revoluções Por Minuto",nem ele acreditou.Tanto que fizeram a versão desse cd para a América Latina inteira,e no México bateu em 1000.000 cópiase"dos",ficou entre as 10 mais tocadas.
    O disco em homenagem a Roberto Carlos,vendeu 350.000,e percebam VENDIA MAIS QUE A VOLTA DO RPM DE 2002 que tanto valorizam.
    rsrsrs
    Ele largou essa carreira pq realmente a alma dele é do rock,não tem jeito,e tb pq achou que a volta do RPM venderia milhões,pq o Capital Inicial que era banda do segundo time,vendeu,achou então que eles,o fenômeno,tb venderiam.
    Ai depois do fim do Rpm de novo nessa época,realmente se lascou,pq tinha abandonado o "personagem" romântico e tb as pessoas só queriam ele no rock com a banda.
    Sem nenhum dos dois,realmente,ficou meio sumido,mas mesmo assim se vc olhar no youtube,sempre esteve em tds os programas,inclusive Globais,mesmo sem uma música de sucesso.
    Então,as pessoas,como o burro do Jamari,se baseiam nessa fase,em discos como "Zumzum" do PR.5 ou 'Prisma",para dizer que ele não fez sucesso, e se esquecem "DE PROPÓSITO" da fase de 96 até 2002,onde o cara estava emplacando sucessos ininterruptos,com hits em rádio e onipresente na tv.
    Além disso,se vc analisar friamente,o RPM vendeu 2.700.000 cópias do"Rádio Pirata Ao Vivo" numa época onde o rock dominava a mídia e td era mais fácil,conspirava a favor.
    O paulo,vendeu sozinho na fase romântica 1.100.000,contra tdas as expectativas,adquirindo um público FIEL(coisa que o RPM nunca teve,saiu de milhões para 200.000 de um disco pro outro ainda nos anos 80)que acompanhava sua carreira,comprava os discos e nunca o abandonou,pelo contrário,como já dito,ele foi quem os abandonou,abandonou essa carreira.
    Na verdade,comercialmente falando,foi a maior burrice do Paulo,pois mesmo a critica e os rockeiros malhando,ESTARIA MILIONÁRIO e teria se estabilizado na mídia desde aquela época,pois esse estilo nunca sai de moda.
    Enfim,mas depois de explicar td isso,reafirmo que PREFIRO O RPM(kkkkkk),é sério,mas como acompanhei isso td,fico puto quando vejo alguém se pegar num disco de fracasso para malhar o cara e esquecer os discos de sucesso,só para não dar o braço a torcer.
    Mas graças a Deus,HOJE EM DIA,ele voltou a mídia(mais uma vez contra tdas as expectativas)no Superstar e com shows lotados da banda tb,e isso que importa,depois de tantos anos,a sensação de que independente do estilo,ELE FICOU,falam dele em pleno 2016,é contratado por programas,etc.
    Provou que é um ícone eterno!!!

    ResponderExcluir
  13. Deixam o cara ganhar um dinheiro extra !! o RPM não acabou, continua fazendo shows um proximo disco vira no tempo adequado. Isso e so dinheiro, Paulo quer abracar shows menores com menos gastos para contratado e contratante , ele so pode fazer isso em carreira solo, o RPM e grande e caro. Deixem o cara trabalhar faturar aproveitando a imagem do Super Star.....

    ResponderExcluir
  14. Concordo que ele teve uma fase solo bem sucedida no fim dos anos 90, mas era uma época onde a música romântica predominava em estilos populares como pagode, sertanejo e funk. PR vendeu em 500 mil num ano que SPC por exemplo vendeu 3 milhões. Não tem como comparar com os feitos do RPM nos anos 80.
    Além do mais, hoje tudo foi trocado pra ostentação, os cantores românticos só fazem shows pra titias.
    Quanto ao RPM, eles poderiam fazer muito mais pela música juntos do que separados, um bom produtor pra um disco novo seria o David Corcos. Os álbuns que ele produziu pro Capital Inicial em 2010, e principalmente 2012 têm uma sonoridade incrível comparado a outros recentes produzidos por Sussekind, Liminha etc..

    ResponderExcluir
  15. Paulo Ricardo é um cara extremamente ousado e corajoso. Palmas pra ele! Muda e surfa em várias ondas porque é versátil. Outros artistas vivem enferrujados num mesmo estilo sem coragem ou talento para ousar. Estou cansado de ver artistas internacionais mudarem e se reinventarem o tempo todo e são vistos como ótimos camaleões, vide U2, Jagger, etc. Nós, brasileiros, precisamos olhar para os artistas de outra forma, olhar com maturidade e prestar atenção nesses ícones. Gosto do Jamari pra caramba mas o olhar dele e de outros da mídia para o RPM e, especialmente, para o Paulo Ricardo, está equivocado. Quantas bandas nacionais apresentam coisas novas de fato? Quantos cantores dessas bandas ousam a ponto de soarem diferentes da sonoridade de suas próprias bandas? É só olhar as nossas bandas nacionais quando tocam nas rádios que sabemos quem são. Esse Paulo Ricardo soa sempre diferente a cada disco. É um camaleão. O cara tem uma voz sinistra, muito diferenciada. Consegue dividir o palco ou estúdio com várias feras nacionais com fez com Caetano, Lô Borges, Flávio Venturini, Renato Russo, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Evando Mesquita, Bezerra da Silva, Sandra de Sá, Rita Lee, Toquinho e tantos outros. Viva a música tupiniquim! Viva o RPM! Viva o Paulo Ricardo!! Parece que ser talentoso no Brasil é uma ofensa.

    ResponderExcluir
  16. Eu sou fã incondicional da banda só queria deixar um concelho para o Paulo Ricardo não deixe a banda morrer continua reenvente mas continua pois tenho certeza que nos fãs das antigas passaremos para novas gerações e continuará com muito sucesso

    ResponderExcluir
  17. Eu sou fã incondicional da banda só queria deixar um concelho para o Paulo Ricardo não deixe a banda morrer continua reenvente mas continua pois tenho certeza que nos fãs das antigas passaremos para novas gerações e continuará com muito sucesso

    ResponderExcluir
  18. Realmente, a carreira solo do Paulo Ricardo foi um fiasco para o rock, mas um sucesso popular para ele mesmo... Não chegava a ser brega, mas sim uma especie de Phil Collins tropical!! No mesmo patamar de Rick Martin e Henrique Glesias, Paulo Ricardo era a aposta tupiniquim para o mercado pop romântico! Lembro que "dois" e "tudo por nada" foi um sucesso devastador!!

    ResponderExcluir
  19. Kct! Na época tinha um preconceito fuderoso com essa fase do Roberto ops! Paulo Ricardo... Mas só por curiosidade fui ouvir "dois", pelo youtube da vida... E que música du caralho!! Lembro que ficou na boca do povo por um bom tempo e foi até executada em trios elétricos no carnaval de Salvador. Um sucesso assim era o desejo de qualquer cantor que sonha com os holofotes e com os gritos enlouquecidos das tietes! "Dois", dentro de um arranjo estilo "george michael anos 80", se transformou num devastador hit pop de matar de inveja qualquer Fábio Jr. da vida!

    ResponderExcluir
  20. vcs que se dizem rockeiros e ficam reclamando do termino do RPM no final do ano de 89 é pq com certeza não sabem o que as drogas e o ego pode fazer com as pessoas. Eu sou rockeiro desde q nasci escuto bandas como Burzum, slayer, black sabbath e reconheço q o paulo ricardo fez muito sucesso na carreira solo e ficou em primeiro lugar nas rádios por muito tempo, o cara é muito talentoso e bom musico, digo isso pq o sucesso dos outros não me incomoda, pelo contrario gosto de ver gente que merece se dar bem. E a proposito o melhor disco do RPM é o de 93 é o album mas pesado da banda com letras perfeitas pena q o schiavon e o P.A não estavam na banda, ha e não se esqueçam q a banda de rock mas famosa do mundo os Beatles estão cheios de baladas romanticas...

    ResponderExcluir
  21. ELEKTRA E UMA GRANDE DECEPÇÃO PARA OS RPMS,O ÁLBUM MAIS FRACO DA BANDA ATÉ AGORA. MAIS DEIXA PAULO RICARDO EM PAZ,O MAIS BACANA E SINCERO E QUE A BANDA NÃO VAI MAIS ACABAR. VAI VIM O NOVO ÁLBUM SIM,E SO PAULO SE CANSAR DE NOVO,QUE VIRÁ O DEUS EX MACHINA.

    ResponderExcluir