domingo, 1 de novembro de 2015

Titãs soltam relâmpagos em Nheengatu Ao Vivo



Assisti pela terceira vez ao DVD Nheengatu Ao Vivo, dos Titãs (Som Livre), registro da turnê do último álbum, o surpreendente Nheengatu, uma espécie de atualização de Cabeça Dinossauro, de 1986. A banda, reduzida à metade da formação dos anos 80, nada perdeu de seu punch ao vivo, apesar da mudança de configuração. 





Hoje Paulo Miklos e Branco Mello são também instrumentistas, guitarra e baixo respectivamente, Paulo e Sérgio Britto (teclados) são vocalistas com muito punch, Branco Mello menos, seu timbre é mais suave e com pouco alcance. Não é uma banda de virtuosos, mas os quatro juntos formam uma unidade poderosa, completada pela bateria segura e precisa do convidado Mário Fabre. Gente que nada mais dava pela banda se surpreendeu com este álbum que, como Cabeça, faz um diagnóstico corrosivo do mundo atual.


Paulo Miklos -  foto encarte - Silmara Ciuffa

Nove das 14 músicas do disco estão no show, um bom número no setlist de 23 números (14 no CD). O karma dos artistas musicais é dosar o repertório antigo, que o povo quer ouvir, com as novidades, que projetam a banda para frente.   Sempre se procura equilibrar o novo e o velho, aqui os Titãs optaram por  muito punch, sem sucessos lentos como Enquanto Houver Sol e Epitáfio, o pau come o tempo todo num show simples e bem produzido em que se destaca cenicamente as máscaras que usam nas quatro primeiras músicas,  mais para Slipknot que para Kiss.





Em entrevistas sobre Nheengatu, os Titãs se disseram revigorados pela turnê de 25 anos do Cabeça Dinossauro em 2012, tratar de novo daqueles temas num show furioso deu a eles gás para fazer Nheengatu, gestado desde aquele ano, com o repertório construído e testado na estrada até chegar ao disco ano passado. 

O DVD abre com quatro músicas novas, Fardado, Pedofilia, Cadáver Sobre Cadáver e Chegada ao Brasil (Terra à Vista) e passa pelo segundo disco, Televisão (1985), com a pesada Massacre, que prenunciava a virada que viria no ano seguinte, com Cabeça. A seguir pula pra faixa título do álbum de 1987, Jesus Não Tem Dentes No País dos Banguelas e Lugar Nenhum, do mesmo álbum.



Sérgio Britto  -  foto encarte - Silmara Ciuffa

A seguir mais três novas: Baião de Dois, Quem são Os Animais, República dos Bananas e Pela Paz. E pula para Nem Sempre Se Pode Ser Deus, do polêmico álbum grungeado Titanomaquia (1993). Tocam uma conhecida  para a plateia cantar e pular, Diversão, do álbum Jesus etc e mais duas novas Mensageiro da Desgraça e Fala Renata. 

Aí encaixam Desordem, de Jesus..., Vossa Excelência, “nossa singela homenagem a uma classe incompreendida, os políticos,” diz Paulo Miklos  em tom irônico, a plateia vaia e depois solta os pulmões no refrão “filha da puta, bandido, corrupto, ladrão.” Na reta final os clássicos, quatro deles na seção de extras. 

Tony Belotto -  foto encarte - Silmara Ciuffa

Não tem making off, seria legal ter, não aquele em que entrevistados derramam elogios, mas uma visão técnica e conceitual do disco e da turnê. A direção de imagens é de Joana Mazzucchelli, uma captação correta e funcional sem grandes sacadas e a produção musical do craque Rafael Ramos. Titãs honram o rock’n’roll e  a história da banda neste DVD. Agito com alta qualidade.


Branco Mello -  Foto encarte - Silmara Ciuffa


Ficha Técnica
Músicos
Branco Mello – baixo e voz
Paulo Miklos – guitarra e voz
Sérgio Brito – teclados, baixo, voz
Tony Belotto – guitarra
Convidado: Mário Fabre – bateria

Direção DVD - Joana Mazzucchelli
Produção áudio – Rafael Ramos
Produção executiva do DVD – Deyse Simões

Gravação áudio: Jorge Guerreiro – Unidade Móvel Gabison UM3
Mixagem: Vitor Farias e Rafael Ramos
Masterização – master Ricardo Garcia
Áudio em estéreo e Dolby 5.1 (não tem DTS).
Design  de luz e Direção de fotografia – Marcos Olívio
Cenário – Cassio Brasil
Projeto gráfico – Marcos de Moreno
Fotografia  - Silmara Ciuffa
Tempo total: 70 minutos
Lançamento - Som Livre
Gravado no Audio Club, São Paulo, em 24 de abril de 2015







MÚSICAS
Fardado (Sérgio Britto/Paulo Miklos)
Pedofilia  (Britto/Miklos/Tony Bellotto)
Cadáver Sobre Cadáver  (Miklos/Arnaldo Antunes)
Chegada ao Brasil ( Branco Mello/Emerson Villani/Aderbal Freire)
Massacre (Marcelo Fromer/Britto)
Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas (Fromer/Nando Reis)
Lugar Nenhum (Antunes/Charles Gavin/Fromer/Britto/Bellotto)
Baião de Dois (Miklos)
Pela Paz  (Mello/Reis/Britto/Gavin/Miklos)
Quem São os Animais? (Britto)
República dos Bananas (Mello/Angeli/Hugo Possolo/Villani)
Nem Sempre Se Pode Ser Deus (Titãs)
Diversão (Reis/Britto)
Mensageiro da Desgraça (Miklos/Bellotto/Britto)
Fala, Renata (Bellotto/Miklos/Britto)
Desordem (Gavin/Fromer/Britto)
Vossa Excelência (Gavin/Miklos/Bellotto)
Televisão (Antunes/Fromer/Bellotto)
Sonífera Ilha (Mello/Carlos Barmack/Ciro Pessoa/Fromer/Bellotto)
Polícia (Bellotto)
AA UU (Fromer/Britto)
Flores (Gavin/Miklos/Britto/Bellotto)
Bichos Escrotos (Antunes/Britto/Reis)
Fonte setlist: Wikipedia.



Um comentário:

  1. No texto fala que "pela paz" é inédita. Na verdade, ela é do disco "Domingo". Foi lançada após o disco, em uma série especial com bônus. Foi feita em uma campanha com a rádio 89 de São Paulo na época. A música foi bem tocada na época, acho que 1995 ou 1996, e depois foi esquecida. Foi muito bem lembrada nesse novo DVD

    ResponderExcluir