segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Veja as músicas que os Rolling Stones devem tocar no Brasil

Ron Wood, Charlie Watts, Keith Richards - Santiago

No próximo sábado a nave Rolling Stones aporta a Terra Brasilis para um concerto no Maracanã, seguido de dois em São Paulo (24 e 27) e o último em Porto Alegre dia três de março. Até agora foram quatro apresentações, uma no Chile e três na Argentina. Falta uma em Montevidéu na terça. Com base nos setlists mostro abaixo as canções que quase certamente ouviremos no Brasil porque foram tocadas nos dois países. São 14 que cobrem o período de 1965 (Satisfaction) a 1974 (It’s Only Rock’n'Roll). A história de cada uma delas está no post que fiz sobre o show de Santiago, que está mais abaixo.
O bis tem sido sempre o mesmo. You Can’t Always Get What You Want com um coral de cada cidade e Satisfaction. As demais vão em ordem alternada: 

1. Start Me Up 
2. It’s Only Rock ‘N’ Roll (But I Like It)
3. Tumbling Dice
4. Out of Control
5. Paint It Black 
6. Honky Tonk Women (sempre antecede a parte em que Keith Richards canta e Mick Jagger apresenta a banda antes de sair. Keith variou as duas canções, falo em separado)
7. Midnight Rambler 
8. Miss You
9. Gimme Shelter (com Sasha Allen no vocal)
10. Brown Sugar
11. Sympathy For The Devil 
12.  Jumpin' Jack Flash
13. You Can't Always Get What You Want 
14. (I Can't Get No) Satisfaction 


Primeiro show Argentina  - Estádio Unico de La Plata - 55 mil pesoas

Tocadas Só No Chile - Concerto único dia quatro. História delas abaixo no post sobre  Santiago.
She’s a Rainbow (escolha dos fãs pela internet)

Tocadas Só Na Argentina - Três concertos.
Dia 7
Street Fighting Man – Escolha dos fãs pela internet. Tocada 554 vezes ao vivo. Single do álbum Beggar’s Banquet,  lançado em seis de dezembro de 1968. Inspirada no período conturbado no final da década de 60 com as manifestações em Paris e nos Estados Unidos, estas contra a Guerra do Vietnã. A letra alterna palavras de ordem violentas  como “it’s time for palace revolution” e “the time is right for fighting in the streets, boy” com um refrão que prega o não engajamento da banda “but then waht can a poor boy do, ‘Cept to sing for a rock’n’roll band. ‘Cos in sleepy London Town there’s no place for street fighting man.” Mick Jagger disse que os protestos em Londres não foram tão intensos quanto na França e na América.


Mick Jagger - Santiago

Anybody Seen My Baby – Tocada 71 vezes ao vivo. Canção de segunda classe, single do álbum Bridges to Babylon, lançado em 24 de setembro de 1997. A letra fala de um cara que levou um pé na bunda da mulher e fica procurando por ela na pior. O clipe fez sucesso porque tinha Angelina Jolie em roupas de baixo, quando ela ainda decolava para o megaestrelato. Richards conta que, quando mostrou a canção para a filha Angela e uma amiga dela, as duas começaram a cantar a mesma música com uma letra diferente, aí Richards descobriu que ele e Mick tinham plagiado sem querer a canção Constant Craving, da cantora americana K.D. Lang. Imediatamente acionaram os canais jurídicos para dar coautoria à K.D. Laing e ao seu parceiro Bem Mink. Laing se sentiu honrada e lisonjeada pela parceria.

Dia 10 
Angie - Escolha dos fãs pela internet. Tocada 245 vezes ao vivo. Um dos maiores sucessos da banda, faixa do álbum Goat’s Head Soup, lançado em 31 de agosto de 1973.  Diz a lenda que foi composta para a mulher de David Bowie, Angela, e que ela, Bowie e Jagger faziam ménage à trois. Richards diz em sua autobiografia Life que a canção partiu dele e o nome da personagem foi uma escolha aleatória, não é sobre ninguém especificamente. A parte da letra colocada por Mick Jagger se refere ao fim do romance que manteve com Marianne Faithfull na década de 60. Ela chegou deslumbrante aos 17 anos na corte da Swinging London e saiu um farrapo, viciada em heroína e outras drogas, quase mais uma vítima fatal das várias que se meteram no vórtice stoniano. Angie foi primeiro lugar na América e quinto na Grã-Bretanha.


Argentina segundo show - mesmo local - 56 mil pesssoas

Can’t You Hear Me Knocking - Tocada 92 vezes ao vivo. Faixa do álbum Sticky Fingers, lançado em 23 de abril de 1971. Uma das minhas favoritas. Leva sete minutos no original com um solo inspirado do falecido Bobby Keys no sax tenor e um longo solo de três minutos de Mick Taylor. Muito tocada nas turnês de 2002/3 e 2005/7. Ao vivo pode levar 12 minutos. Após o solo de sax, a cargo de Karl Denson, que entrou no lugar de Keys, Mick faz um solo de gaita e Ronnie Wood o solo de guitarra. Keith conta que a música já devia ter terminado na vizinhança do quinto minuto, mas o clima estava tão bom que continuaram no improviso e quando ouviram depois resolveram deixar. A música nasceu no estúdio, Keith afinou a  guitarra e começou a uma levada, Charlie começou a tocar junto com ele e assim foi. A letra no caso não é importante, é um cara batendo com insistência na casa da namorada (whatever) e ela nem aí, tem uma referência a drogas, típica da época, quando ele diz que ela tem “cocaine eyes.”

Dia 13
You Got Me Rocking – Tocada 439 vezes ao vivo. Escolha dos fãs pela internet . Single do album Voodoo Lounge, lançado em 11 de julho de 1994. A banda veio ao Brasil pela primeira vez em 1995 na turnê deste disco e tocaram esta nos shows aqui. Rock uptempo, um dos melhores da produção escassa da banda dos anos 90 para cá. A letra é um deboche com as perguntas cretinas que ouvem há décadas: se vão parar, se aposentar, se é a última turnê etc. “I was a surgeon 'till I start to shake, I was the boxer who can't get in the ring, I was a writer can't write another book. I was a tycoon drowning in debt,” mesmo assim alguém surgiu e “hey hey hey you got me rocking”.


Terceiro show - Mesmo local - 50 mil pesoas

Beast of Burden – Faixa do álbum Some Girls, lançado em nove de junho de 1978. Jagger improvisou a letra no estúdio para encaixar na parte instrumental que já estava sendo tocada por Keith e Ronnie, que se revezavam em solos e base. Beast of Burden pode ser traduzido por Burro de Carga, o animal mesmo, no caso um cara que diz que não quer ser o esparro da mulher, só quer transar com ela, que se faz de difícil.
P.S. Em cada cidade, eles pedem que os fãs votem em uma de quatro canções para tocarem no show. Votação pelo site oficial. Nda divulgado ainda sobre o Brasil.


Keith Richards - Buenios Airs

Set de Keith Richards – São duas músicas por show.
Santiago, Dia 4 - Ver post do Chile
You Got The Silver
Happy 

Buenos Aires
Dia 7
Can’t Be Seen With You – Tocada 84 vezes ao vivo. Canção do álbum Steel Wheels, lançado em  29 de agosto de 1989. A letra é sobre um cara que está muito a fim de uma garota mas não pode ser visto com ela porque os dois estão jurado de morte. “They set us up so they can shoot us down. Put us six feet  underground. It's just too deep for me baby. Oh shit. I just can't be seen with you.”

Happy – Ver post do Chile

Dia 10
Slippin’ Away – Tocada 165 vezes ao vivo. Balada do álbum Steel Wheels, lançado em 29 de agosto de 1989. Keith disse que avaliou melhor esta canção quando fez uma versão acústica para o álbum Stripped, lançado em 13 de novembro de 1995. A letra fala de um casal que está se distanciando um do outro. Lá pelo final ele coloca como que uma crítica também ao seu talento para a composição: “All I want is ecstasy but I ain't getting much. Just getting off on misery, it seems I've lost my touch.
Well it's just another song, but it's slipping away. We didn't sing it long  ‘cos it's fading away.” Este disco veio depois de um longo período de distanciamento em que Mick Jagger tentou carreira solo sem sucesso e os dois brigaram e esta foi a volta ainda meio sem jeito.

Before They Make Me Run – Tocada 275 vezes ao vivo. Do álbum Some Girls, lançado em nove de junho de 1978. Composta por Keith, Mick Jagger não participa da faixa. A letra se refere à prisão dele em Toronto, Canadá, no dia 27 de fevereiro de 1977 por posse de 23 gramas de heroína, quantidade suficiente para enquadrá-lo como traficante pela legislação canadense. O caso ainda estava em andamento quando gravou o álbum Some Girls. Num verso ele fala de drogas: “Booze and pills and powders, you can choose your medicine.” Mais adiante diz que precisa de alívio:” Gonna find my way to heaven, `cause I did my time in hell.”  A perspectiva de uma longa sentença de prisão aparece nos versos: “After all is said and done. Gotta move while it's still fun. Let me walk before they make me run.”

Chile e Argentina - História das músicas no post do Chile
Let’s Spend The Night Together
Wild Horses 

P.S. Em cada cidade, eles pedem que os fãs votem em uma de quatro canções para tocarem no show. Votação pelo site oficial. Nada divulgado ainda sobre o Brasil.

2 comentários:

  1. Muito bom algumas dessas histórias eu conhecia...outras não... Dia 20 estarei lá... ROCK ON JAMA...

    ResponderExcluir
  2. Sempre muito legal conhecer a história de cada canção. As melodias sempre são do Keith? Como as letras dessas canções são bobinhas. Eis aí uma das diferenças entre Stones e Beatles: o quarteto de Liverpool, em determinado ponto, em grande medida após Lennon conhecer Dylan, evoluiu das letras simplórias para textos mais bem elaborados, engajados ou poéticos. Já os Stones insistem nessas letrinhas tolas.

    ResponderExcluir