sábado, 8 de outubro de 2016

Cachorro Grande brilha em noite com De Falla no Imperator

Edu K - Fotos de Cleber Junior

Um público escasso foi ao Imperator ver uma grande noite de rock com as bandas gaúchas Cachorro Grande e De Falla nanoite de sexta. Um tiroteio no Lins por volta de oito e meia da noite deflagrou uma boataria nas redes sociais de que o confronto era no Meier, que a bandidagem decretara toque de recolher e que os choques chegaram ao lado de fora do Imperator. Por volta de meia noite quando acabou estava tudo calmo no Meier, onde nada aconteceu, e tudo calmo no Lins também.


Beto Bruno 

O De Falla fez um show aquém de seu currículo de brilhante banda mutante do Rock Brasil. Nos últimos cinco anos se apresentava com a formação clássica: Edu K (voz), Bibba (bateria), Castor Daudt (guitarra) e Carlo Pianta (baixo). Ontem irrompeu no Imperator apenas com Castor Daudt e outro baterista, Vandinho Carvalho,  na enésima formação da banda, no que Edu K anunciou como um ensaio com público. 


Castor Daudt - De Falla

O setlist se dividiu em quatro blocos com muitos covers, algo estranho para uma banda com nove discos de estúdio desde 1987. Falta de ensaio, talvez. Fato que rolou de Raul Seixas a Faith No More e Red Hot Chili Peppers em levadas confusas, músicas emendadas em cada um dos três blocos que dividiram o show  até um final súbito sem agradecimento e com duas músicas a menos, You Win e Não Me Mande Flores. Definitivamente não empolgou.


Marcelo Grossi - Cachorro Grande


O Cachorro Grande teve uma atitude oposta. Mesmo com apenas umas 100 almas na plateia eles deram o sangue num show que misturaram canções de todas as fases da carreira. A banda anda numa viagem eletrônica nos últimos três discos, daí assistimos uma mistura da sonoridade clássica, inspirada nos anos 60 e 70, e a ronqueira eletrônica marcando presença dentro das canções. 

Rodolfo Krieger - Cachorro Grande

Não abrem mão de cânones clássicos como transformar algumas canções, como Vai T. Q. Dá, em jam sessions com espaço para todos solarem, o baixista Rodolfo Krieger puxou o riff algumas vezes, Marcelo Grossi se esbaldou em longos solos na guitarra, o baterista Gabriel Azambuja pontuava os diversos climas e o tecladista Pedro Pelotas numa das vezes usou o timbre do Vox Continental de Ray Manzarek (Doors), uma banda que também fazia longas jams instrumentais. O vocalista Beto Bruno faz sua parte e sai para deixar seus companheiros à vontade.


Vandinho Carvalho - De Falla

Beto Bruno também se ausenta para que outros tomem o vocal. É o caso de Rodolfo Krieger em Subir É Fácil, Difícil É Descer, que tem um tema pessoal, mas pode ser aplicada de certo ponto à carreira musical. Se bem que nem sempre é fácil subir, mas lá em cima não se tem mais pra onde ir, só pra baixo. O guitarrista Marcelo Grossi com sua voz rouca e frenética manda O Que Você Tem e Dia Perfeito, com muitos solos. 


Pedro Pelotas - Cachorro Grande

Não via show do Cachorro Grande há muito tempo, nem lembro o último,  os vi mil vezes melhores do que da última vez. Uma banda de entrosamento impecavel, todos mandando muito bem em seus instrumentos, com o uso inteligente da eletrônica, sem desfigurar a persona rock clássica da banda. Beto Bruno está seguro, seu timbre dá uns agudos meio exagerados, canta mais lá em cima que nos médios e graves, daí que certos versos soam embolados. 

Gabriel Azambuja

Depois do encerramento com Você Não Sabe O Que Perdeu, com introdução de Dear Prudence (Beatles), um cara na plateia chegou pra mim e falou como era possível que um show do caralho como aquele, com ingressos a 20 reais, estivesse vazio. E arrematou que tinha que botar sertanejo e funk mesmo. Triste realidade, é isso mesmo. A garotada do subúrbio perdeu a apresentação de uma grande banda.


A 11 foi  Bom Brasileiro. Antes de Dia Perfeito foi Deixa Fudê. Antes de Sinceramente O Que Você Tem e  Vai T. Q. Dá. Nop bis Você Não Sabe O Que Perdeu.

P.S. Uma historinha. Uma vez nos anos 80, Edu K foi ao Jornal do Brasil vestido de bebê: fralda branca, chupeta e touquinha branca. Foi um rebuliço para deixar ele subir e entregar o release e foto de um show seu. A segurança firmou pé que não podia subir, ligaram pra redação, recorreu-se ao comando da redação que deixou, mas ponderaram que a segurança não respondia à redação e, afinal, autorizaram. Ele causou um frisson na redação, falou comigo, cumprimentei na seriedade enquanto todo mundo ria. Ele veio escoltado por dois seguranças. Devem ter achado que ele tinha uma mamadeira bomba dentro da fralda. Cada uma.


Setlist De Falla. Não tocou as duas últimas








Nenhum comentário:

Postar um comentário