terça-feira, 22 de maio de 2018

Despedida estrondosa de Ozzy no Rio




Texto e fotos de Cleber Jr.

Ozzy avisa que esta é sua última turnê mundial. Não que deixará os palcos definitivamente, mas, provavelmente, não virá mais por essas bandas. O Rio de Janeiro foi a última data, numa Jeunesse Arena com bom público e, acima de tudo, animado, para cantar junto com o Príncipe das Trevas os clássicos de sua extensa carreira. Junto com Ozzy uma banda espetacular, onde o destaque é o brutamonte Zakk Wylde que deixa sua marca esmerilhando solos e riffs com técnica e garra.

O set list não mudou pelos palcos do Brasil e o show começa a projeção de uma apresentação com fotos de Ozzy criança seguindo ao longo da carreira, para emendar com Bark at the Moon. Em seguida Mr. Crowley, que tem sua introdução tocada por Adam Wakeman nos teclados e uma parada estratégica para o público soltar a voz no início da letra, mas, a turma estava mais preocupada em registrar com os celulares e perdeu a chance. Ozzy chamou o público de volta, mas o clima já havia sido quebrado.

Pausa para uma água e I Don't Know dá continuidade ao álbum Blizzard of Ozz, o primeiro de sua carreira solo, que fornece quatro músicas para o set com um encaixe antes da quarta para recordar pela primeira vez o Black Sabbath, com a bela Fairies Wear Boots. Os álbuns Blizzard e No More Tears forneceram quatro músicas cada para o set.





Como o tom é de despedida, Suicide Solution, me fez lembrar de Randy Roads, seu primeiro grande parceiro pós Sabbath, que renovou a carreira de Ozzy com sua técnica incendiária e, de certa forma, mostrou o caminho para o cantor ir atrás de jovens e excelentes guitarristas.

Já que estamos na Zona Oeste do Rio, o palco se ilumina de vermelho e War Pigs vem bem a calhar com o momento que a região vive, uma verdadeira zona de guerra, em nome da paz. Em que os versos “Politicians hide themselves away. They only started the war. Why should they go out to fight? They leave that role to the poor,” se encaixam perfeitamente.

Zakk Wyld assume o comando, sola alucinadamente e desce para tocar próximo do público, enquanto Wakeman, Tommy Cufletos na bateria e Blasko no baixo seguram a onda lá do palco e Ozzy dá uma respirada. Cufletos não tem o mesmo tempo, logo após Zakk encantar a turma do gargarejo e deixar aflito quem não estava tão perto para fazer o seu selfie, ele fica só no palco e emenda seu impressionante solo de bateria, com participação ativa do público.

Zakk Wylde

Na sequência,  a parte final do show  com a banda de volta para emendar Shot in the Dark , I Don't Want to Change the World e Crazy Train em que, incentivado por Ozzy ,o publico enlouquece e faz o primeiro ensaio para uma roda.

Praticamente sem intervalo para o bis e incentivada por Ozzy a platéia urra "one more song!" A triste Mama, I'm Coming Home dá o tom de despedida, mas ainda dá tempo de Paranoid, o maior clássico do Black Sabbath enlouquecer de vez a legião de seguidores de Ozzy e ninguém fica parado. O velho Ozzy se despede, deixando em quem assistiu a sensação de sempre... Ozzy é o melhor!!





Obs. As fotos foram feitas de celular, a produção do show, não permitiu nem divulgou fotos do show.

SET LIST:
1- Bark at the Moon
2 - Mr. Crowley
3 - I Don't Know
4 - Fairies Wear Boots (Black Sabbath)
5 - Suicide Solution
6 - No More Tears
7 - Road to Nowhere
8 - War Pigs (Black Sabbath)
9 - Solo de Zakk -  Miracle Man / Crazy Babies / Desire / Perry Mason
10 - Solo de Tommy Cufletos
11 - Shot in the Dark
12 - I Don't Want to Change the World
13 - Crazy Train
BIS:
14 - Mama, I'm Coming Home
15 - Paranoid (Black Sabbath)
16 - Changes (Black Sabbath) música ambiente



Nenhum comentário:

Postar um comentário